domingo, 9 de maio de 2010

PERIGOS DOUTRINÁRIOS

A Bíblia nos adverte seriamente sobre um tempo muito perigoso. Tempo de falsas religiões; sutilezas teológicas; dissimulações para perverter a Doutrina segundo a Palavra. Algumas religiões ou seitas, bem latentes, tem surgido no decorrer destes últimos dias (1 Tm. 4:1; 1 Jo. 2:18), e a medida que crescem (algumas nem precisam de tanto), mostram que nada tem a ver com o Verdadeiro Evangelho, pois suas doutrinas chocam-se frontalmente com a Doutrina Bíblica. Dessa forma são fáceis de serem confrontadas. Conquanto enganam muitos cristãos, visto que, como Himineu e Fileto “perverteram a fé que tinham alguns” (2 Tm. 2:18), as seitas hodiernas também tem conseguido isso. Vejamos algumas:

- Adventismo: Doutrina de um evangelho sem cruz (Fp. 3:18), pois está fundamentada na lei – com ênfase no sábado (Ex. 20:8); e as revelações da Senhora Ellen White estão acima da Palavra. No entanto Paulo, que esteve no paraíso e ouviu palavras inefáveis (2 Co. 12:4), foi firme ao ensinar para não irmos além do que está escrito (1 Co. 4;6 cf. 2 Jo. 9);

- Espiritismo: Doutrina de um evangelho que nega a Doutrina Bíblica da ressurreição e também nega o sacrifício vicário de Cristo (Mt. 28:11-15; 2 Tm. 2:17-18; 1 Co. 15:3,4), pois defende sucessivas reencarnações até se chegar ao um estado de perfeição (o que, na verdade, não deixa de ser nada mais nada menos, do que a perpetuação do mal); no entanto não é obra da justificação por meio de Cristo, e muito menos obra do Espírito Santo (Rm. 4:25; 1 Co. 6:11; Fp. 1:6). Devido a algumas manifestações espirituais (não do Espírito Santo), muitos crentes em Cristo, tem sido enganados, por aceitarem como iguais às manifestações do Espírito Santo no meio Pentecostal; dessa forma tem tornado-se seguidores deste outro evangelho;

- Mórmons: Doutrina de um evangelho que nada mais é do que ‘outro evangelho’, ‘outra revelação’, dada a Joseph Smith pelo anjo Moroni (Gl. 1:6-8), não é a revelação do Espírito Santo (2 Pe. 1:20,21). Por estas definições poderemos facilmente detectar o Mormonismo como uma heresia. No entanto o Mormonismo é pernicioso, sutil e ardiloso. Vivemos o tempo em que homens querem ser deuses, e muitos teólogos tem achado apoio na Bíblia para suas falácias teológicas; e o Mormonismo é adepto de tal teologia. “O Mormonismo está literalmente alicerçado nas palavras de Satanás a Eva no Jardim do Éden [...] orgulhosamente se vangloria de que a obediência aos seus profetas e preceitos, somada à participação em seus rituais secretos no templo, é a única maneira de alcançar a divindade prometida por Satanás” (Hunt e McMahon. p. 69,70. 1999). Os mórmons se iludem na interminável esperança de um dia povoarem essa terra com outro Adão e Eva, e terem um outro Jesus, irmão de Lúcifer, como redentor deles.

- Testemunhas de Jeová: Doutrina de um evangelho que perverte a Verdadeira Palavra de Deus, pois, com a Tradução do Novo Mundo das Escrituras, mudaram o texto bíblico, para que os seus ensinos sejam comprovados como verdadeiros (Ap. 22:18-19). Já que negam a deidade de Jesus (entre outras Doutrinas), veja como traduziram João 1: “v1. No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com o Deus, e a Palavra era [um] deus [...]; v14. De modo que a Palavra se tornou carne e residiu entre nós, e observamos a sua glória, uma glória tal como a de um filho unigênito dum pai (grifo meu). Agora vejamos a Verdadeira Palavra: “v1. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus; v14. O Verbo se fez carne, e habitou entre nós. Vimos a Sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Edição Contemporânea de Almeida – ECA – os grifos são meus). Preste atenção na sutileza desta seita. Vejo os Testemunhas de Jeová como a seita mais perigosa que existe, pois usam a Palavra, porém deturpada, adulterada. Para esses é preciso seguir exortação joanina (2 Jo. 10).

Algumas teologias sutis e dissimuladoras que tem surgido ou que tem sido reavivadas nos dias de hoje:

- Unicismo, modalistas, unidade pentecostal, unitarismo, ou sabelianismo: os nomes são diferentes, porém o veneno é o mesmo. São os que negam a manifestação divina de um Deus em três Pessoas distintas, ou seja, Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo - a Doutrina Bíblica da Trindade.

O Monarquianismo era uma questão teológica que girava em torno da Pessoa de Deus. Acreditavam na unidade divina, ou “monarquia” que estabelecia Deus como uma só Pessoa.

Havia os seguidores de Sabélio ou “Monarquianos Modais”. Estes afirmavam haver três modos diferentes da manifestação divina, ou seja: Deus como Pai no Antigo Testamento, como Jesus Cristo durante uns trinta anos e agora como Espírito Santo. Dessa forma negavam uma personalidade específica identificada como Jesus Cristo. Isto é herético, pois João diz que Deus enviou o Seu Filho Unigênito ao mundo, para que por meio dEle vivamos (1 Jo. 4:9,10 – grifo meu) – João está mostrando que há Deus, o Pai que enviou, e também o Seu Filho Unigênito; mais adiante vemos a diferença entre o que é nascido de Deus e o que não é: “Todo aquele que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus” (1 Jo. 4:15 – grifo meu). Pergunto: é mais fácil crer que há Deus Pai, Deus Filho, e Deus Espírito Santo, ou crer nos que negam a Doutrina da Trindade? (leia atentamente 1 Jo. 4:7-21; veja Jo. 14:16).

Havia também o grupo dos “Monarquianos Dinâmicos”, chefiado por Samosata, bispo de Antioquia (c. 260-272 d.C.). Este pregava que Jesus Cristo não era Deus, mas “que ganhou divindade por mérito da sua própria justiça e por ser penetrado pelo divino Logos (“Palavra”). Assim, ele acabou negando a deidade de Jesus” (SMEETON, 2003, p. 93). Esse pensamento é derrotado com o que o Apóstolo João escreveu em seu Evangelho: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo. 1:1). Ele (o Verbo) esta com, ninguém pode estar com, sozinho. João advertiu contra os que negam que Jesus é o Cristo, chamando-os de anticristo (1 Jo. 2:22).

Foi o Monarquianismo que plantou a semente do Unitarismo dos nossos dias. Esta seita rejeita a divindade Jesus Cristo e o conceito bílbico da Trindade. No Brasil, é muito disseminada pelo conjunto Voz da Verdade, que por mais que tenha hinos envolventes (muito atrativos), nega esta Doutrina fundamental da Fé Cristã. Salientamos que atacar a deidade de Jesus Cristo, e oferecer novas interpretações ou acréscimos à Bíblia, são características (que entre outras) definem uma seita.

Para conhecimento é bom sabermos que, em 325 d.C., no Concílio de Nicéia foi resolvida a questão herética do Monarquianismo, estabelecendo, de uma vez por todas, a Doutrina da Trindade e a irrefutável verdade sobre divindade de Cristo – com base na Palavra de Deus.

Mais tarde, no ano 375 d.C., surge o sabelianismo, movimento religioso organizado por Sabélio. Defendia que a Pessoa de Cristo era nada mais do que “uma faceta ou manifestação de Deus” e que “o Pai, o Filho e o Espírito Santo são uma só e a mesma essência, três nomes apenas dados a uma só e mesma substância” [1], se isto for verdade, o que dizer do que João registrou em seu Evangelho (14:16)?

Notamos que esta falsa doutrina, que nega a Trindade, desenvolveu-se em tempos diferentes e com nomes diferentes e por diferentes grupos ou teólogos, porém sempre conservando a essência, ou seja, sempre negando a “Triunidade de Deus: Um só Deus em Três Pessoas Divinas e Três Pessoas Divinas num Só Deus” [2]. É bom observarmos que nestes últimos tempos a maneira como se tem apresentada e disseminada é cada vez mais ardilosa e sutil.

Hoje estamos vendo a união de diferentes crenças ou linhas doutrinárias, ou correntes teológicas, no meio evangélico brasileiro (e mundial). Parece haver uma união nunca vista para o bem da propagação do Evangelho. Porém é tempo de tomarmos cuidado. Jesus não se dobrou aos clamores do Diabo em nome da fama e sucesso; Paulo e os demais Apóstolos nunca negociaram, nem sequer uma vírgula doutrinária, por qualquer motivo que fosse.

Hoje é diferente! Estão, no mesmo palco – ou seja, em mega shows, grandes congressos, magníficos encontros de ‘louvor’ e ‘adoração’ –, cristãos históricos, isto é, os que sempre acreditaram e defenderam todas as doutrinas basilares do Evangelho, com os defensores e propagadores dos mais variados e diferentes modismos, como também espúrias teologias. Isto também é sinal da volta de Jesus, já que propõe (silenciosamente) o engano religioso (Mt. 24:4,5,11). Olha o que diz o Profeta Amós: “Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Am. 3:3). Porém, muitos mesmo em desacordo doutrinário, estão andando em nome da fama, e de outros interesses.

Em Cristo

Adriano

[1] As grandes doutrinas da Bíblia. Raimundo de Oliveira. CPAD.

[2] A Santa Trindade: Pai, Filho, Espírito Santo. Eurico Bergstén. CPAD.

4 comentários:

PC@maral disse...

Olá Adriano,

Concordo com tudo o que está exposto no texto. Inclusive em relação a Adventismo.

Gostaria apenas de lhe pedir uma coisa. Eu congrego em uma Igreja Adventista. Minha denominação é Igreja Adventista da Promessa.

Cremos na salvação única e exclusivamente pela graça e a Bíblia é nossa única regra de fé e prática. Temos todos os dons espirituais, inclusive o deon de linguas estranhas que não é aceito nem crido pela IASD.

Nossa instituição nasceu em 1932 separando-se da IASD por motivos doutrinários.

Nós mesmos, temos estudos combatendo as heresias da IASD e considerando-a, literalmente como uma seita.

Por isso, lhe peço para não generalizar. Adventista do Sétimo Dia é que defende as práticas mencionadas no texto.

Além da Adventista da Promessa existe a Adventista da Reforma que não tem nada a ver, também, com a IASD.

Lembre-se, tambem, de que existe uma Igreja Batista do Setimo Dia e não é porque ela guarda o sábado que os irmãos cristãos a consideram como seita ou fazem pouco caso dela.

htt://www.portalbatista.org.br/

Se desejar conhecer nossa Igreja Adventista da Promessa o link é este:

http://www.iapro.com.br/

A razão do nosso nome é esta:

A Igreja Adventista da Promessa tem esse nome por duas razões principais:

Primeira Razão:

Ela é Adventista porque nós cremos na segunda volta de Cristo da maneira como ela é exposta nas Sagradas Escrituras.

Segunda razão:

É da Promessa, porque ela surgiu, exatamente, da crença do cumprimento da promessa do batismo com o Espírito Santo como sendo uma benção de Deus também para os nossos dias.
--------------------------------

Quero deixar bem claro que não estou discorndado de nenhum tópico de seu artigo, até assino embaixo, quero que os irmãos sejam justos em seus pensamentos a nosso respeito. Afinal, por causa do erro deles [IASD] pagamos o pato por que a grande maioria dos crentes não procura conhecer nosso trabalho.

Fique com Deus, que o Senhor te abençoe.

Dc Paulo Amaral - Igreja Adventista da Promessa do bairro de Piedade no Rio de Janeiro

www.iapropiedade.com.br

e editor do blog PC@maral

http://blogdopcamaral.blogspot.com

Adriano Wink Fernandes disse...

Irmão Paulo!

Sou grato pela sua participação.

Não é minha intenção combater esta ou aquela denominação. Tenho outras postagens nas quais reprovo, biblicamente, absurdos que estão acontecendo dentro da denominação a que pertenço - Assembléia de Deus. Me refiro sempre em minhas postagens à questões doutrinárias.
Quando expomos verdades doutrinárias, estamos defendendo o Verdadeiro Evangelho. E é isso que devemos fazer!

Que Deus o abençõe grandemente com todas as riquezas espirituais em Cristo Jesus.

Adriano

Anônimo disse...

A Igreja Adventista segue apenas o que a bíblia diz. Somos salvos pela graça de Jesus, desde o tempo de Adão, e não pela Lei. Evangelho sem cruz? Não sei o que quis dizer com isto. Seguimos as leis que Deus nos deixou e que ainda são válidas para o homem viver em paz com Deus e o próximo. Damos ênfase no sábado, pois foi a alinça que Deus fez com o povo escolhido (leia Ezequiel 20:20 - "santificai-vos os meus sábados, pois SERVIRÃO DE SINAL ENTRE MIM E VÓS, para que saibais que eu sou o Senhor, vosso Deus." - veja tb Êxodo 31:13,14,15,16). Quanto as revelaçoes da irmã White, não usamos acima da bíblia como vc cita. Uasamos apenas como uma forma de melhor entender a palavra de Deus, ou seja, apenas como um apoio para o que a Bíblia nos diz, que é o que seguimos. Se vc estudar as doutrinas da igreja adventista (as 28) e estudar a biblia profundamente, descobrirá que NADA, ABSOLUTAMENTE NADA do que vivemos e seguimos foge da palavra de Deus.

Adriano Wink Fernandes disse...

Paz Anônimo!

Lamento não poder dizer seu nome, pois não te identificaste. Não costumo publicar comentários anônimos, visto achar falta de respeito, ou falta de coragem de debater abertamente.
Poderemos continuar nossa conversa, mas desejo que se identifique. Ao contrário, não será mais publicada.

Para continuarmos o debate (além do que expus acima),me responda a seguinte a pergunta:
- Se eu não guardar o sábado, mas crer na suficiência do sacrifício de Jesus na cruz, sou salvo?

Deus o abençoe!